Autores de Ficção Científica brasileira têm laços com fascismo, afirma escritor

O pesquisador e escritor de FC Jean Gabriel Álamo, publicou uma série de tuítes comentando os laços entre autores da ‘primeira onda’ da Ficção Científica brasileira com temas como o integralismo e a extrema direita no Brasil.

O autor explicou que vem pesquisando o fascismo no Brasil para compor seu próximo livro da série de fantasia urbana “Feiticeiro de Aluguel” e encontrou indícios dessa estreita relação.

“Nesse subgênero do Fantástico, a chamada Primeira Onda da Ficção Científica se deu graças à Editora GRD. Por isso também é chamada de ‘Geração GRD’”, escreveu Jean, informando que GRD “é sigla para o nome de seu presidente-fundador: Gumercindo Rocha Dorea, viúvo de Augusta Rocha Dorea, que foi autora de múltiplos livros exaltando Plínio Salgado, o principal nome na História do Integralismo”. Em um dos tuítes, Jean afirma que Gumercindo era filiado ao PRP e presidente da Confederação dos Centros Culturais da Juventude e do Movimento Águia Branca, “assumidamente nazista e supremacista branca”, ressalta.

As postagens também fazem a referência a Luciano Cunha, criador dos quadrinhos do justiceiro conservador Doutrinador, Breno Zarranz, que se apresenta como defensor de Deus, da Pátria, das Riquezas Nacionais, das leis naturais, da Família e da Vida, e as relações com a família Bolsonaro.

Vale lembrar que a aproximação de personalidades ligadas ao integralismo, versão brasileira do fascismo criado pelo italiano Benito Mussolini, com a família do presidente já foi objeto de análise jornalística, a exemplo da coluna de Chico Alves, publicada em fevereiro de 2020, no Uol.

Fonte: DCM

Imagem: Arte a partir de capa da capa de The Infinite Brain, de John Campbell (1930)

Sem comentários

Postar um comentário