Com o projeto SparkShorts, Pixar cria animações sobre tabus e temas sensíveis

O estúdio Pixar Animation iniciou, há cerca de um ano e meio, o programa SparkShorts, que convida profissionais a criarem animações com o objetivo de “desbloquear o potencial de artistas individuais e suas abordagens inventivas”, trazendo renovo narrativo às produções da casa.

Ao longo desse período, as sete animações lançadas mostram a importância de buscar temas mais sensíveis à sociedade, como amizade, parceria e amor ao próximo, entre outros.

O que tem chamado a atenção do projeto, no entanto, mais do que as encantadoras animações oferecidas, é o passo dado pelo estúdio em abraçar questões que, além de sensíveis, são vistos como tabus sociais e ganham espaço para reflexão pública com a iniciativa.

Nesse sentido, curtas como Float e Loop, que falam sobre o autismo e os desafios no convívio social, somam-se a projetos que ousam romper com estigmas tão ou mais importantes, como o desconforto com o sentimento de homoafetividade, a exemplo do recente filme Out, ou Purl, que trata da toxidade e opressão masculina em ambientes corporativos.

“O programa SparkShorts foi desenvolvido para descobrir novos contadores de histórias, explorar novas técnicas de narrar histórias e experimentar novos fluxos de trabalho de produção.”, afirmou Jim Morris, presidente da Pixar Animation Studios.

Com a iniciativa, o estúdio enfatiza a necessidade de dar voz a expressões capazes de contar histórias em que o tema deixa de lado aspectos heroicos da fantasia para falar do ser humano, seus propósitos, desejos e ansiedades.

“Esses filmes são diferentes de tudo o que já fizemos na Pixar, oferecendo uma oportunidade para desbloquear o potencial de artistas individuais e suas abordagens inventivas de cinema”, finaliza o executivo da empresa.

O programa SparkShorts mostra-se afinado com os novos tempos e promete, para breve, outras animações igualmente emocionantes e impactantes.

Assista, abaixo, algumas das animações já lançadas pelos artistas convidados do estúdio.

Sem comentários

Postar um comentário