Criatividade, gamificação e inteligência emocional serão essenciais para recolocação no mercado

Segundo o relatório Future of Jobs 2020, produzido pelo Fórum Econômico Mundial, metade dos trabalhadores do planeta precisarão de requalificação até 2025 para se manterem ou serem reinseridos no mercado de trabalho.

Entre as competências consideradas essenciais na atualidade, as chamadas ‘soft skills’ vêm ganhando importância nos últimos anos e uma boa parte das empresas já percebeu a importância de ter profissionais com habilidades socioemocionais.

Entre as 15 habilidades mais requisitadas pelo mercado de trabalho do futuro, estão competências técnicas, como programação e experiência de usuário e as habilidades socioemocionais, como criatividade, liderança, pensamento analítico e inteligência emocional.

Um projeto implementado no Ensino Médio pelos profissionais do Colégio Marista Arquidiocesano, localizado em São Paulo, capital, denominado Future Skills, busca desenvolver habilidades humanas e digitais nos alunos em disciplinas como pensamento criativo, gamificação, inteligência emocional e programação, entre outros.

O programa estimula o desenvolvimento de habilidades humanas que não podem ser automatizadas e habilidades digitais, que buscam instrumentalizá-los para o uso das redes sociais e processos como a criação de jogos e identificação de novas oportunidades na área.

Para o coordenador do Ensino Médio, Dionei Andreatta, o estímulo a estas práticas é fundamental para o futuro profissional. “Os estudantes ganham no aprofundamento de seu projeto de vida, pois são instigados a desenvolver a criatividade, liderança, trabalho em equipe, tomada de decisão, pensamento crítico e inteligência emocional”, explica.

Sem comentários

Postar um comentário