Desaventureiros: uma websérie que representa o RPGista nacional – Por Rodrigo Grego

A websérie mistura o humor, senso crítico e RPG de forma magistral em poucos minutos e muita reflexão.

Sabemos que o RPG “de mesa” é uma paixão nacional. Atualmente fácil de encontrar e popularizado. Porém, essa paixão começou nos anos 80/90 sendo uma paixão escondida e imperceptível para a maioria brasileira.

Paixão feroz mesmo que pequena, sendo criada nas profundezas de masmorras desconhecidas e lojas de RPG (raras pelo Brasil), como Devir e Delfos. Como toda boa dungeon difícil de chegar (internet limitada, pouca informação circulando), tivemos aventureiros obstinados a desbravarem essa dungeon/cultura.

Esse foi o cenário inicial, que floresceu ricamente, sendo com as edições da Dragão Brasil, Holy Avengers, Tormenta20, 3D&T e os mágicos encontros internacionais de RPG que ficávamos o ano todo esperando e claro com caçadas intermináveis em sebos e livrarias por suplementos e livros novos.

Felizmente, a era digital expandiu em todas as áreas nossa cultura: livros, cenários, campanhas, mestres, jogadores, mesas, youtubers, séries, webséries, homebrews, apps de rolagem de dados, e pacotes de dados vindos da china por 6 reais. Ufa!

O cenário explodiu, e o jogador? Evoluiu junto, cresceu, estudou, criou senso crítico e está inserido na sociedade em diversas escalas e profissões. Tudo segurando o forninho que é viver no Brasil.

Nesse ínterim que apresento-lhes a websérie Desaventureiros, criada em 2018 pela galera da Maré Geek em seu canal do YouTube.

Desaventureiros é uma websérie de high fantasy com episódios de 7-10 minutos muito próxima da aura das comédias de esquete, porém com um arco narrativo.

Quando você rola um teste de percepção vem a tona uma série de humor fácil, que fará você vai rir o tempo todo com ares de improviso. Porém, a série é muito mais do que um “sitcom dragons” ela é uma série madura, que mostra a geração RPGista que está crescendo desbravando mundos e seres místicos diversos. Bom, vamos ao enredo.

Seguimos a party Companhia do Dragão Dourada uma equipe classe B, que sonha em crescer para classe A e trabalha para a rica mercadora conhecida como Mãe (do Vic).

A party é composta pelo Vic Voz do Vento (humano bardo), obstinado e eloquente sendo líder da party, Fliq (ladino meio-elfo), sempre solícito e preocupado com seus amigos, Shi (elfa maga), sábia e focada na missão, Touro vegano (anão guerreiro), que nutre um coração bom e perseverança, e Geburath (⅛ orc clériga de si mesma), destemida e pronta para cortar uns pescoços.

Todos eles sonham em se auto aperfeiçoar e serem poderosos, como aventureiros e indivíduos. Parece uma história simples e uma party que vemos por aí. Porém, esses personagens têm outras facetas. Vic é inseguro, Geburah niilista e em crise existencial, Fliq está em conflito com seus sentimentos, Shi nutre problemas com a família e Touro Vegano é engajado e desiludido com as condições das classes/raças do mundo.

Personagens densos para uma série de humor? Sim, e isso cria a mágica da série, os episódios abordam temas como representatividade LGBTQ+, empoderamento feminino, críticas sociais ampliadas no universo do RPG, às vezes veladas, entretanto sempre com alfinetadas que não passam despercebidas.


Geburah: “A estupidez é inerente a qualquer tipo de construção social humanoide.”

Narrativas e temas diversos são tratados, e sem forçar a barra e esquecer que é rpg high fantasy. A quebra dos estereótipos e clichês do RPG estão presentes, junto com as quests clássicas como saquear a “masmorra das eras perdidas”.

Pense na série como uma mistura de anos de D&D com pitadas de Porta dos fundos, e tempere com humor pontual, essa é a premissa de Desaventureiros.

A série está disponível na íntegra no canal da Maré Geek no youtube, atualmente na segunda temporada iniciada em 16 de maio de 2019. Onde uma nova party (Classe A) interage com a Companhia do Dragão Dourado, trazendo novos conflitos e desdobramentos da vida dessa party.

A série está sendo reconhecida como um dos melhores lançados do momento e já teve 5 indicações a prêmios internacionais na área.

Desaventureiros segue o tema introduzido no início desse artigo, o jogador de RPG cresceu e está ciente do mundo, crítico e essa série mistura esses mundos. Pois, afinal, nem estão assim tão distantes em suas diversas maravilhas e problemas.

A série conta atualmente com uma campanha no Catarse para poder dar prosseguimento nas aventuras. Segue abaixo o trailer da primeira temporada.

Rodrigo Grego é cientista político de formação, ludologista e Game Designer em formação.
Mestra RPG desde os 13 anos (AD&D 2e), e Game Designer na Xondaro. Atua como jornalista de games, focando sempre nos indies, principalmente nos brasileiros.

2 Comentários
  • Karina Ueno
    Postado por 23:35h, 20 agosto Responder

    Amooo essa websérie <3
    Não sabia que eles tinham sido indicados para tantos prêmios assim… Mereceeeeeeem!!!!

    Ótima matéria! Finalmente alguém falando sobre essa maravilha

    • Kao Tokio
      Postado por 15:19h, 05 setembro Responder

      Sim, os (Des)Aventureiros merecem o reconhecimento.
      Agradecemos sua participação, Karina!

Postar um comentário