Indie brasileiro Hue Defense atende ao público e torna game mais fácil de jogar

“Se não ouviram falar, não vão comprar!”, sentenciou o desenvolvedor do jogo.

A medida certa para produzir um jogo digital desafiador, instigante e capaz de fazer o jogador imerso ao longo do gameplay é sempre um ponto que exige tato, ousadia e conhecimento dos desenvolvedores para não errar na produção de seu projeto.

A galera do estúdio paulistano Brave Wolf, criador do jogo Hue Defense, lançado em meados de 2018, descobriu que o parâmetro para os níveis de dificuldade de um game não pode ser apenas a percepção dos próprios desenvolvedores. É o que informa Augusto Marques, artista 3D do game, ao comentar a novidade trazida pelo estúdio, com um novo sistema criado para facilitar a jogabilidade.

“Fizemos um update que deve tornar o jogo mais confortável para todos”, explicou o desenvolvedor em conversa com o Drops de Jogos e PopGeeks. “Adicionamos duas opções para alterar a dificuldade, que devem ajudar a todos”, continuou.

“[As pessoas vinham comentando que] estava muito difícil, então colocamos recursos para, se o player quiser, facilitar [o jogo], alterando o level dos minions e acrescentamos uma opção de conveniência, que permite pegar os drops automaticamente”, confirmou.

Hue Defense, que surgiu a partir das manifestações populares contra as mazelas da política nacional, levou 3 anos para ser desenvolvido e está à venda no catálogo de games da plataforma virtual Steam.

Embora os criadores admitam que o marketing do projeto poderia ter sido melhor implementado para a divulgação em massa, Augusto afirma a receptividade geral foi boa e as vendas do game não foram ruins.

“Aprendi que realmente precisamos estudar marketing [para games]. É necessário de alguém de marketing no time assim que possível e isso é uma dica importantíssima para qualquer um que quiser ter uma empresa de jogos indies… é o famoso ‘se não ouviram falar, não vão comprar’!”, finalizou.

Kao Tokio é editor-chefe do PopGeeks, editor de conteúdo do Drops de Jogos e produtor cultural.

Sem comentários

Postar um comentário