Postagem mostra como Cultura Geek defende os direitos, igualdade, antifascismo e sexualidade

Tem sido frequente nas redes sociais os embates entre fãs da Cultura Geek que dividem opiniões sobre esta expressão da arte popular mostrar-se aparentemente ‘lacradora’ nos últimos anos.

Uma recente postagem, no entanto, sintetiza de forma bastante objetiva como os quadrinhos, o cinema e outras vertentes artísticas têm reforçado, desde sempre, o caráter socioeducativo em favor de um discurso claramente voltado à defesa de valores como direitos civis, igualdade, antifascismo e a diversidade sexual, entre outros.

O texto foi compartilhado pelo internauta Rogerio Ramos, também conhecido como “Rogerio Shinobi”, empreendedor e organizador de eventos como o K-Pop Spirit Cwb, Terra Média Cwb e Carnaval Nerd, entre outros, em Curitiba, no Paraná.

Leia, abaixo:

VOCÊ NÃO ENTENDEU NADA!!!

• X-Men é sobre direitos civis. Se você não percebeu isso, não entendeu X-Men.

• Pantera Negra é sobre direitos civis. Se você não percebeu isso, não entendeu Pantera Negra.

• Capitão América literalmente enfrentou nazistas. Ele é a personificação da luta contra a extrema-direita. Se você não percebeu isso, não entendeu Capitão América.

• O Império em Star Wars é fascista. A Aliança Rebelde é antifascista. Se você não percebeu isso, você não entendeu Star Wars.

• O Justiceiro não foi feito para ser um modelo para a polícia ou Forças Armadas. Seus roteiristas o fizeram falar claramente contra isso em suas revistas. Se você não percebeu isso, você não entendeu o Justiceiro.

• Deadpool é queer. Ele é pansexual. Fato. Se você não percebeu isso, não entendeu Deadpool.

• Star Trek é sobre igualdade entre todos os gêneros, raças e sexualidades. Já em meados dos anos 60, a série adotava uma postura pró-escolha e defendendo o direito de escolha das mulheres. Um de seus temas mais claros é aceitar diferentes culturas e aparências e trabalhar juntos pela paz. (Também é anticapitalista e pró-vegana). Se você não percebeu isso, não entendeu Star Trek.

• Superman e Supergirl (e vários outros super-heróis) são sobre imigrantes. A posição desses quadrinhos é pró-imigração e pró-igualdade e aceitação. Se você não percebeu isso, você não entendeu Superman ou Supergirl.

• Stan Lee disse: “O racismo e o fanatismo estão entre os males sociais mais mortais que assolam o mundo hoje”. Se você é fanático ou racista, não entendeu nenhum dos personagens que Stan Lee criou.

• As histórias com as quais crescemos nos ensinaram a valorizar outras pessoas e culturas e valorizar as diferenças entre nós. Somente os vilões eram xenófobos, sexistas, racistas ou totalitários. Não consigo entender como alguém poderia não ter percebido isso.

• Se você está chateado por haver um Homem-Aranha preto, ou um Capitão América preto, ou uma Thor, ou que a Miss Marvel seja muçulmana, ou que a Capitã Marvel seja pró-feminismo ou qualquer outra coisa que os “fãs” de direita dizem, como “estarem roubando a minha infância” – você nunca entendeu isso, em primeiro lugar. As coisas que você alega que estão agora “cedidas aos esquerdistas” nunca estiveram do seu lado, para começar.

Se você se considera um fã dessas coisas, mas ainda acha que a comunidade LGBTQ+ está muito “na sua cara”, ou tem um problema com o Black Lives Matter, ou deseja “tomar o país de volta dos imigrantes”, então você não é realmente um fã.

A cultura nerd não se tornou de repente de esquerda… sempre foi sobre igualdade. Você foi ensinado a ser intolerante. Você se tornou o vilão nas histórias que costumava amar.

Para conhecer mais sobre o profissional, basta segui-lo no Instagram ou acessar o site de seus projetos.

Imagem: reprodução

Sem comentários

Postar um comentário